Resenha: Deixe a Neve Cair












Autores: John Green, Maureen Johnson e Lauren Myracle
Páginas: 335
Editora: Rocco Jovens Leitores
Compre aqui
Mais informações

Sinopse: 
Na noite de Natal, uma inesperada tempestade de neve transforma uma pequena cidade num inusitado refúgio romântico, do tipo que se vê apenas em filmes. Bem, mais ou menos. Porque ficar presa à noite dentro de um trem retido pela nevasca no meio do nada, apostar corrida com amigos no frio congelante até a lanchonete mais próxima ou lidar sozinha com a tristeza da perda do namorado ideal não seriam momentos considerados românticos para quem espera encontrar o verdadeiro amor. Mas os autores best-sellers John Green, Maureen Johnson e Lauren Myracle revelam a surpreendente magia do Natal nestes três hilários e encantadores contos de amor, interligados, com direito a romances, aventuras e beijos de tirar o fôlego.

Tag: Sete pecados capitais

Oi pessoas! Hoje vou apresentar para vocês o mais novo colaborador do blog: o Lukas! E nada melhor para conhecer uma pessoa que uma Tag respondida, não é? Nós encontramos esta no blog Minha Vida por um Livro.



Ganância:  Qual o seu livro mais caro? E o mais barato? 
  Morte Súbita (J. K. Rowling) pode até ser um dos mais caros que já adquiri, mas com certeza vale muito!
  Desastre (S.G Browne) foi o livro mais barato com uma história linda! Realmente pensei que pelo preço seria fraco, mas me surpreendi.

Ira: Com qual autor você possui uma relação de amor/ódio? 
  Colleen Houck. Ela acaba comigo em cada capítulo da Série Tigre, faz uma cena perfeita e a destrói no fim, e sem contar que faz aquele jogo amoroso com os personagens.

Gula: Qual você devorou sem vergonha? 
   O Teorema Katherine (John Green). Nunca li tão rapidamente um livro, em média umas 120 páginas por dia.

Preguiça: Qual o livro que você negligenciou devido à preguiça? 
  Cidades de Papel (John Green). Amei, como todos do nosso querido John Green, mas estava com tanta preguiça que, em certos dias, nem pegava o livro.

Orgulho: Qual o livro que você tem orgulho de ter lido? 
  Jogos Vorazes (Suzanne Collins). Simplesmente amo a Trilogia, cada livro me deixou fascinado e me ensinou muito. Sinto-me feliz e muito orgulhoso por ter lido.

Luxúria: Quais os atributos que você acha mais atraente em personagens masculinos ou femininos? 
  Personagens masculinos: olhos, boca, braços e cabelo. Homens ficam fascinantes descritos pelos autores, e imaginá-los se torna algo prazeroso! 
  Personagens femininos: olhos, cintura, cabelo, seios e boca. Descrever mulheres é tão sexy quanto elas são realmente, ficam poderosas e sabem brincar com a mente do leitor!

Inveja: Quais os livros que você gostaria de ganhar de presente? 
Deixe a neve cair (John Green, Lauren Myracle e Maureen Johnson), Um caso perdido (Colleen Hoover), A viagem do Tigre, O destino do Tigre e A promessa do Tigre (Colleen Houck), e muitos e muitos mais!


Resenha: A revolução dos bichos


Autor: George Orwell 
Páginas: 152
Editora: Companhia das Letras
Sinopse: 
Verdadeiro clássico moderno, concebido por um dos mais influentes escritores do século 20, "A Revolução dos Bichos" é uma fábula sobre o poder. Narra a insurreição dos animais de uma granja contra seus donos. Progressivamente, porém, a revolução degenera numa tirania ainda mais opressiva que a dos humanos. Escrita em plena Segunda Guerra Mundial e publicada em 1945 depois de ter sido rejeitada por várias editoras, essa pequena narrativa causou desconforto ao satirizar ferozmente a ditadura stalinista numa época em que os soviéticos ainda eram aliados do Ocidente na luta contra o eixo nazifascista. De fato, são claras as referências: o despótico Napoleão seria Stálin, o banido Bola-de-Neve seria Trotsky, e os eventos políticos - expurgos, instituição de um estado policial, deturpação tendenciosa da História - mimetizam os que estavam em curso na União Soviética. Com o acirramento da Guerra Fria, as mesmas razões que causaram constrangimento na época de sua publicação levaram A revolução dos bichos a ser amplamente usada pelo Ocidente nas décadas seguintes como arma ideológica contra o comunismo. O próprio Orwell, adepto do socialismo e inimigo de qualquer forma de manipulação política, sentiu-se incomodado com a utilização de sua fábula como panfleto.