A Abadia de Northanger



 Autora: Jane Austen
 Editora: L&PM pocket
Sinopse:

Catherine Morland, dezessete anos, coração puro, é uma mocinha ingênua, viciada em livros repletos de desventuras horripilantes e amores trágicos. Sabendo sobre a vida apenas o que leu nos romances, ela sai de seu obscuro vilarejo natal para passar uma temporada em Bath, estação balneária frequentada pela aristocracia inglesa, onde conhece bailes excitantes, uma amiga amabilíssima, um cavalheiro encantador e outro insuportável. E sai de Bath para ser hóspede, como num sonho, de uma abadia. A antiga construção, porém, revelará sinais misteriosos, indícios de que foi cenário, no passado, de um crime medonho. Exatamente como ela lera nos livros. 

Primeiro romance concluído por Jane Austen (1775-1817), A abadia de Northanger só foi publicado postumamente, em 1818, na edição que também apresentou Persuasão aos leitores ingleses. É o livro mais leve e francamente cômico de uma das escritoras mais lidas de todos os tempos. Paródia dos romances góticos (os best-sellers da época), a história de Catherine Morland também retrata com argúcia uma sociedade que se transformava e um mundo em que quase todos faziam tudo por dinheiro.

Assista o vídeo:




TAG: Taylor Swift Book Tag


Oi pessoal! Cá estou de volta com mais uma Tag para vocês: a Taylor Swift Book Tag! Esta Tag consiste em relacionar livros a vários sucessos musicais da cantora Taylor Swift, que, venhamos e convenhamos, tem só música boa na discografia. Apesar da fanzoca aqui ter sentido falta de alguns de seus sucessos favoritos, como New Romantics e I Know Places, achei a tag sensacional e muito divertida de fazer! A Tag foi criada pelo canal The Book Life, ampliada pelo canal da Katytastic  e, no meu caso, utilizei a tradução da mesma feita pelo canal Ultraviolet da Gleice Couto. 
Confiram o vídeo abaixo! E não se esqueçam de curtir o vídeo, se inscreverem no canal e deixarem aqui também seus comentários! Beijos e até a próxima!

Assista o vídeo:

Para quem se animar a responder também, coloco aqui embaixo as perguntas da TAG, conforme foram traduzidas pela Gleice Couto do canal Ultraviolet:

1. We Are Never Ever Getting Back Together - um livro que você amava muito, mas aí ele piorou e você teve que cortar relações com ele.

2. Red - um livro com uma capa vermelha.

3. The Best Day - um livro que te faça sentir nostálgico.

4. Love Story - um livro que tenha um amor proibido.

5. I Knew You Were Trouble - um livro que você não conseguiu evitar de se apaixonar pelo bad boy/vilão.

6. Innocent (written b/c of Kanye West!) - um livro que alguém estragou o final dele pra você (spoiler).

7. Everything Has Changed - um personagem de um livro que passou por uma grande mudança.

8. You Belong With Me - o lançamento mais esperado por você no momento.

9. Forever and Always - um casal favorito de um livro.

10. Come Back, Be Here - um livro que você não gosta de emprestar por não querer sentir saudades dele.

11. Teardrops On My Guitar - um livro que te fez chorar muito.

12. Shake It Off - um livro que você ama muito, e que você não tá nem aí pros haters dele.



Resenha: Saga Encantadas

Autora: Sarah Pinborough
Editora: Única

Sinopses: 


Veneno:
Você já pensou que uma rainha má tem seus motivos para agir como tal? E que princesas podem ser extremamente mimadas? E que príncipes não são encantados e reinos distantes também têm problemas reais? Então este livro é para você! Em Veneno, a autora Sarah Pinborough reconta a história de Branca de Neve de maneira sarcástica, madura e sem rodeios. Todos os personagens que nos cativaram por anos estão lá, mas seriam eles tão tolos quanto aparentam? Acompanhe a história de Branca de Neve e seu embate com a Rainha, sua madrasta. Você vai entender por que nem todos são só bons ou maus e que talvez o que seria “um final feliz” pode se tornar o pior dos pesadelos! 

Feitiço:
Você se lembra da história da Cinderela, com sua linda fada madrinha, suas irmãs feias e um príncipe encantado? Então esqueça essa história, pois nesta releitura de Sarah Pinborough ninguém é o que parece. Em um reino próximo, a realeza anuncia um baile que encontrará uma noiva para o príncipe e parece que o desejo de Cinderela irá ganhar aliados peculiares para ser realizado. Contudo, não será fácil: ela não é a aposta de sua família para esse casamento real, e sua fada madrinha precisa de um favorzinho em troca de transformar essa pobre coitada em uma diva real. Enquanto isso, parece que Lilith não está muito contente com os últimos acontecimentos e, ao mesmo tempo em que seu reino parece sucumbir ao frio, ela resolve usar sua magia para satisfazer suas vontades.

Poder:
Quando um príncipe mimado é enviado pelo seu pai para tentar desvendar os mistérios de um reino perdido, ninguém imagina os perigos que ele encontrará pela frente! Acompanhado da figura sóbria e sagaz do Caçador e de Petra, uma jovem valente que possui uma ligação muito forte com a floresta, o príncipe acaba encontrando um reino adormecido por uma estranha magia. Todos os seres vivos foram cercados pela densa mata e estão dormindo, em um sono pesado demais, que só poderia vir da magia. Mas que tipo de bruxaria assolaria uma cidade inteira e seus habitantes? E, principalmente, quem faria mal a uma jovem rainha tão boa e tão bela? A não ser, claro, que os olhos não percebam o que um coração cruel pode esconder...

Assista o vídeo:






Top Top: Heróis da Literatura




Héroi. Do latim heros, termo usado para designar o personagem central de uma obra literária, fosse esta narrativa ou dramática. Já na mitologia grega o herói aparece como um ser intermediário, filho da união entre homens e deuses, tais como Perseu, Hércules ou Aquiles. Nele estariam reunidas todas as qualidades necessárias para empreender uma grande jornada ou para vencer obstáculos excepcionais, assim como muitos outros atributos considerados positivos, como coragem, altruísmo, inteligência e senso de justiça.  Ainda hoje, embora a concepção do herói como ente entre o humano e o divino tenha se modificado, ele ainda é visto como um arquétipo importante, que incorpora o que há de melhor na humanidade. Na literatura isto se reflete em uma miríade de heróis e heroínas, que nos alegram e também nos fazem sofrer, chorar e temer por eles, ao acompanhar suas aventuras.

Existem vários tipos de heróis e heroínas literários, com várias qualidades extraordinárias, porém diferentes em sua natureza. Alguns se destacam por sua sagacidade, outros por sua força, outros ainda pela sua bondade. Elaboramos então uma lista com aqueles heróis e heroínas que mais habilmente conquistaram nosso coração pela forma intrépida com qual enfrentaram o mal.

Atenção: esse texto contém spoilers dos livros aos quais os heróis pertencem! Recomenda-se cuidado ao ler!



1º Frodo Baggins e Samwise Gamgee
 Em primeiro lugar temos uma dupla de respeito, criada por ninguém mais ninguém menos que J.R.R Tolkien. Motivada por nada além de sua vontade de salvar a Terra Média do domínio do maléfico Senhor do Escuro Sauron, a simpática dupla de hobbits deixa o conforto de suas tocas no Condado para embarcar em uma missão praticamente suicida que os levará até Mordor, o reino do inimigo, a fim de destruir o Um Anel, fonte de todo o poder de Sauron. No caminho eles enfrentam inúmeros obstáculos, tais como Orcs ferozes, aranhas gigantes e até um Balrog. Porém nada os faz esmorecer em sua missão, nem mesmo quando toda a esperança parece estar perdida. Espírito heroico estes dois tem de sobra!



 2º O Trio Dourado de Hogwarts (Harry Potter, Hermione Granger e Ronald Weasley)
Como não mencionar o trio de bruxos criado por J.K.Rowling? Juntos eles foram capazes de enfrentar Lorde Voldemort, o maior bruxo das trevas de todos os tempos, e evitar que ele tomasse o poder do mundo bruxo. Passando por inúmeros desafios, eles não se deixaram abalar, mesmo tendo sofrido com diversas perdas. Harry com sua coragem e perseverança, Hermione com sua aguçada inteligência e esperteza e Rony com sua lealdade conquistaram uma multidão de leitores, que acompanharam e ainda acompanham suas aventuras. 


3º Jane Eyre
A vida de Jane Eyre, personagem criada por Charlotte Brönte, desde o inicio não foi nada fácil. Criada por uma tia que a desprezava, ainda na infância ela foi mandada para um colégio interno, onde passou por diversas humilhações. Porém a perseverante Jane se dedicou a seus estudos e a se aprimorar cada vez mais. Mesmo depois de todas as humilhações ela prosseguiu em sua busca pela felicidade. Depois, quando finalmente concluiu seus estudos ela começou a trabalhar como governanta na mansão de Thornfield Hall, onde conheceu o misterioso Sr. Rochester, por quem se apaixonou perdidamente. Porém, apesar de corresponder ao amor de Jane, Rochester guardava um obscuro segredo que ameaçava a felicidade dos dois. Ao longo de todo o livro Jane se coloca como uma jovem determinada, inteligente e corajosa, que se recusa a permitir que atitudes malignas de outrem determinem sua autoestima ou afetem a bondade do seu coração. 


4º  Sherlock Holmes
 Elementar meus caros! O maior de todos os detetives não poderia estar de fora desta lista. Criado por Sir Arthur Conan Doyle, Sherlock Holmes se tornou um personagem icônico, por, com sua inteligência aguçada, desvendar os mais escabrosos mistérios na Inglaterra vitoriana. Com seu impecável método de dedução, Sherlock é capaz de perceber todos os detalhes de um crime, e, com isto, não só elucidar a identidade dos criminosos, mas também seus motivos e intenções.  Ao longo de quatro romances e cinco livros de contos, Sherlock nos brinda com o que há de melhor no gênero da literatura policial. The game is on!


5º Elizabeth Bennet e Mr. Darcy
 Um casal fantástico criado pela pena de Jane Austen, que com sua perseverança prova que no final o amor sempre vence, ainda que tenha de passar por cima de toda a hipocrisia e diferenças sociais. Filha de uma família de condições financeiras limitadas, Elizabeth Bennet é pressionada pela mãe a conseguir um casamento vantajoso, como forma de garantir seu futuro. Porém a jovem se recusa a entrar em um casamento sem amor. Entra o charmoso Mr. Darcy, jovem rico, porém orgulhoso, que de inicio deixa uma péssima impressão em todos que o conhecem, inclusive em Elizabeth. Porém, ao se apaixonar pela jovem Lizzie, Darcy deixa seu orgulho de lado e se torna um ser humano melhor, mais generoso. Lizzie, ao ver esta mudança, começa também a ver Darcy com outros olhos, e a deixar de lado a antiga visão preconceituosa que tinha dele. Eles passam então a compreender um ao outro e criam uma doce cumplicidade. Por essas e por outras o casal de “Orgulho e Preconceito” continua a fazer muitos de nós suspirarem.


6º Jean val jean
Criado pelo escritor Victor Hugo o prisioneiro 24601 é outro personagem cuja a vida não foi nada, mas nada fácil. Condenado por roubar um mísero pão para alimentar a família da irmã, Jean val Jean acabou indo comer o pão que o diabo amassou na prisão durante vinte anos. Uma vez concluída sua sentença, tampouco seu sofrimento acabou: como ex-presidiário ele viu que mal ganhava o suficiente para sobreviver, isso quando conseguia algum trabalho. Porém, após encontrar com o bondoso Bispo Myriel, Jean val Jean resolveu recomeçar a vida, deixando seus tempos de prisão e seu antigo nome para trás. Porém, o passado continuou o assombrando na figura soturna de Javert, policial determinado a fazer o herói voltar a ver o sol nascer quadrado. Caridoso, Jean val Jean se comprometeu a criar como sua filha a pequena Cosette, filha de Fantine, uma jovem mãe solteira que, por desespero, acabou  caindo na prostituição e terminou por morrer tuberculosa.  Até mesmo piedade para com seu maior inimigo, Javert, Jean val jean demonstra.  Bondade assim é coisa rara mesmo.


7º Os irmãos Pevensie
Quando foram mandados para morar uns tempos na casa de um velho professor no campo, devido aos bombardeiros de Londres durante a Segunda Guerra Mundial, os irmãos Peter, Edmund, Susanna e Lucy Pevensie não imaginavam em que aventuras acabariam se envolvendo! Ao encontrar uma passagem para o reino mágico de Nárnia no fundo de um velho guarda-roupa, Lucy ficou encantada, mas o que ela não sabia era que neste reino a vinda dela e de seus irmãos já era esperada. Eles eram os heróis lendários que, segundo uma antiga profecia, enfrentariam e venceriam, com a ajuda do leão Aslan, Jadis, a malvada feiticeira branca, que com seus poderes havia tomado o poder e transformado vários habitantes de Nárnia em pedra. Passando por diversos desafios e até mesmo por sérios problemas familiares (é Edmund, estou olhando para você), os irmãos acabam por se unir e lutar valentemente contra o mal, não só uma vez, mas várias vezes depois disso. Eles também voltariam a Nárnia anos depois para ajudar o Príncipe Caspian a recuperar o trono que era dele por direito, e, no caso de Lucy e Edmund, para viver várias aventuras a bordo do navio Peregrino da Alvorada.


8º  Liesel Meminger: 
A jovem protagonista de “A menina que roubava livros” literalmente rouba a cena com sua coragem e desejo de aprender. Órfã ainda criança, pobre e bastante solitária, a jovem vê nos livros um refúgio para uma existência difícil, em uma Alemanha onde o nazismo se encontra em plena ascensão. Porém à medida que os livros deixam uma marca em sua vida, Liesel vai se tornando uma pessoa cada vez mais solidária, consciente dos males causados pela ideologia nazista e pela guerra que esta ideologia impôs ao mundo. 




9º Maurice Hall
Filho de uma família inglesa de classe média alta nos anos de 1900, Maurice, o protagonista criado por E.M. Forster, tinha tudo para não ser um herói. Ele não é particularmente mais esperto que uma pessoa normal, nem mais habilidoso ou criativo. Porém, quando começa a frequentar a universidade de Oxford, o jovem Maurice começa a conhecer a si mesmo verdadeiramente e se descobre homossexual, o que não era nada fácil para um rapaz inglês em uma época na qual a homossexualidade era considerada crime na Inglaterra e punida com anos de prisão. Depois de um longo conflito interno e até de uma malfadada tentativa de “curar” sua homossexualidade, Maurice acaba por se aceitar plenamente como é e por buscar a felicidade, mesmo que para isso tenha que começar uma vida nova, longe de tudo e todos que ele conhece.


10º Alice
Criada pela pena de Lewis Carroll, Alice é com certeza a heroína mais curiosa em nossa lista. Nada detém sua curiosidade, nem mesmo as mais absurdas situações apresentadas pelo País das Maravilhas. Seguindo pela toca do coelho branco, conversando com o Gato de Cheshire, tomando chá com o Chapeleiro Maluco ou jogando críquete com a Rainha de Copas, Alice não se deixa intimidar, seguindo sempre em frente e procurando respostas para suas inúmeras perguntas. 




TAG: Liebster Award



Oi pessoal! Fomos indicados para responder essa TAG há um tempo atrás pelo blog Viajando Pelas Páginas. Essa TAG consiste em contar 11 fatos sobre nós e depois responder 11 perguntas selecionadas pelo blog que nos indicou. Foi muito divertido gravar esse vídeo, no qual falar um pouco sobre mim. Confiram o vídeo abaixo! E não esqueçam de curtir o vídeo, se inscrever no canal e deixar seus comentários! 

Para quem animar a responder a TAG, seguem abaixo também as perguntas que selecionamos para vocês responderem:

1. Qual a sua pior mania?
2. Com qual personagem você mais se identifica? Por quê?
3. Se pudesse reescrever o final de um livro, de qual seria?
4. Qual o seu escritor favorito?
5. Se pudesse roubar o estilo de um escritor para você, de quem roubaria?
6. Qual o pior final de livro que você já leu?
7. Qual comida citada em um livro gostaria de experimentar?
8. Qual seu livro preferido?
9. Que trilha sonora escolheria para ele?
10. Qual o vilão mais odiado da literatura?
11. Qual o sentido da vida?

Assista o vídeo:



Resenha: A História Sem Fim



Autor: Michael Ende
Editora: Martins Fontes
Páginas: 400

Sinopse: Quando o jovem Bastian Balthasar Bux entra em uma estranha livraria para se esconder da perseguição de um grupo de colegas de escola, ele não faz ideia das aventuras que o aguardam. Nesta livraria ele acabará por fazer o impensável: tomado por um forte desejo, ele irá roubar o misterioso livro “A História Sem Fim”, livro este que o levará para o mundo de Fantasia. Porém Fantasia se encontra em perigo. Sua governante, a Imperatriz Criança, está muito doente e, como se não bastasse, o temido Nada está invadindo o reino e destruindo suas terras. Caberá ao jovem guerreiro Atreiu  e, de certa forma, a Bastian, a missão de deter o Nada e descobrir uma forma de curar a Imperatriz antes que seja tarde demais. 






Assista o vídeo:


Top Top: Vilões da Literatura


O dicionário apresenta várias definições para a palavra "vilão". A origem do termo está ligada à palavra latina villanus, que designava os habitantes das vilas ou propriedades durante a Idade Média. Os vilões camponeses que estavam ligados à terra, tendo a obrigação de trabalhar para o senhor sem, contudo, pertencerem a ele. Em dado momento, o termo vilão adquiriu um significado adicional, passando a designar uma pessoa que possui qualidades morais negativas. Esse termo passou a designar certos personagens da literatura que praticam ações maldosas. Um vilão digno pode garantir o sucesso de uma história, enquanto que um vilão mal-elaborado pode levá-la ao fracasso. 

Existem vilões para todos os gostos. Alguns acabam roubando a cena, atraindo para si a simpatia dos leitores. Outros são tão detestáveis que só podem mesmo ser odiados. Elaboramos a seguir uma lista com os melhores e piores vilões da literatura. Atenção: esse texto contém alguns spoilers dos livros aos quais os vilões pertencem! Recomenda-se cuidado ao ler!

Vilões que amamos odiar

1º Melkor e Sauron
Em primeiro lugar na nossa lista de vilões que amamos odiar está uma dobradinha de Senhores do Escuro criada por J.R.R. Tolkien. Melkor quase arruinou a criação, roubou as silmarils e foi responsável por uma guerra que resultou no afundamento de meio continente. Como se não bastasse, quando finalmente os Valar o prenderam, Sauron, seu fiel discípulo, tomou o seu lugar. Levou ao afundamento de Numenor, foi para a Terra Média e lá causou duas guerras e a ruína de muitos reinos. 
Motivos para odiar esses dois não faltam. Contudo, também não faltam motivos (tortos) para simpatizar com eles. Melkor criou os dragões e, no fim das contas, seu erro primordial foi apenas tentar ser criativo e cantar uma música diferente. Sauron criou os Anéis do Poder e provou ser um estrategista ainda melhor que seu mestre, enganando meio mundo para realizar seus objetivos.

2º Lorde Voldemort
Ele conquistou o mundo bruxo, morreu, voltou (sem nariz e parecendo um mendigo) e conquistou o mundo bruxo de novo. As horcruxes foram sua jogada de mestre e também sua perdição. Voldemort é um vilão com o qual simpatizamos pela sua triste história de vida e pelo bruxo brilhante que ele poderia ter sido se não tivesse seguido caminhos tão tortos. Abandonado pelo pai, sua mãe faleceu logo após seu nascimento, deixando-o num orfanato onde ele foi maltratado durante toda a infância. Ele nunca teve amor ou carinho e, quando teve a chance de ajudar, Dumbledore resolveu ignorar a situação, considerando-o já um caso perdido. 
Voldemort precisa ler Maquiavel para descobrir que "é melhor ser amado que temido". Quem sabe assim, se ele voltar mais uma vez, talvez consiga construir um reinado mais duradouro.

3º Heathcliff
O vilão de "O morro dos ventos uivantes" é provavelmente o mais amado. Quem aí leu o livro e não ficou pensando que a verdadeira vilã da história era a Catherine, enquanto Heathcliff foi só uma vítima de seus caprichos e do amor que sentia por ela? Quem não achou que o Hindley merecia ser esculachado depois de tudo o que ele fez? Pois é... apesar disso, a crueldade de Heathcliff foi além e machucou pessoas inocentes que não mereciam ser alvo de sua vingança. 
4º Hannibal
Inteligente, culto, refinado, bom cozinheiro, amante das artes, psiquiatra extraordinário. Hannibal seria um partidão se não fosse um serial killer canibal que utiliza partes de suas vítimas para cozinhar suas receitas especiais. Portador de um charme irresistível, Hannibal rouba a cena onde quer que apareça, seja nos livros, nos filmes ou na recente série de TV que não devia ter sido cancelada.


5º Jadis
A Feiticeira Branca das "Crônicas de Nárnia" é uma vilã que arrasa. Inteligente, cruel, sarcástica, fria, manipuladora, autoritária. E orgulhosa. Tão orgulhosa das maldades que fez que até resolveu exibir todas as criaturas que transformou em pedra em um salão. Uma flor de pessoa!


6º Moby Dick
A grande baleia branca que atormentou o capitão Ahab só se passaria por vilã nos pesadelos do referido capitão. Quem não passou o livro inteiro torcendo por ela? E não gritou um sonoro "bem-feito" quando ela destruiu o navio? Afinal, o que foi que ela fez de errado? Além de arrancar a perna do capitão louco, é claro...






Vilões que odiamos mesmo

1º Feanor
Muitos devem estar se perguntando: ué, mas o Feanor não era o mocinho? E a resposta a essa pergunta é: Feanor é egoísta, insensível, autoritário, ganancioso e meio louco. Ele se negou a ajudar os Valar e ainda arrastou os próprios filhos e  todo o seu povo ao longo de uma viagem que só trouxe morte e desgraça. Então não, ele não é o mocinho. Não é à toa que levou um fora da Galadriel, ela sabe das coisas!



 

2º  Joffrey Baratheon e Roose Bolton
Entre os muitos vilões detestáveis das Crônicas de Gelo e Fogo, os dois mais intragáveis são esses. Joffrey é uma criatura que praticamente dispensa comentários. Todo mundo que leu os livros e/ou assistiu à série sabe que ele é desprezível. E quanto à Roose Bolton... quatro palavras: o Norte se lembra!

3º Dolores Umbridge
Autoritária e sem noção, Dolores tentou roubar a direção de Hogwarts de Dumbledore, instituiu castigos desumanos e torturou os alunos da escola com sua famosa pena especial. Como se não bastasse, ainda colaborou com o governo de Voldemort feliz e contente. Impossível não odiar profundamente a sapa velha.


4º Misery
Essa simpática enfermeira serial killer passou boa parte de sua vida matando pessoas e fazendo parecer que as mortes foram acidentais. Sequestrou seu escritor favorito, torturou o coitado, queimou o manuscrito dele e ainda cortou o pé dele fora. Precisa de mais? Ela é irritante e a palavra "noção" não existe em seu vocabulário. Doida de pedra também se aplica.



5º Francisco Javier Fumero
Fumero aparece nos três livros da Trilogia do Cemitério dos Livros Esquecidos, de Carlos Ruiz Zafon. O termo "psicopata" define bem essa ilustre pessoa. Cruel ao extremo, autoritário, frio, insensível. Do tipo que adora torturar gente que está quieta e tornar a vida dos outros miserável. Sim, ele teve uma infância terrível. Não, eu não tenho pena depois do que ele fez em "O prisioneiro do céu". Nem um pouco. 


6º Venerável Jorge
Bibliotecário em "O nome da rosa", foi responsável pela morte de diversos monges cujo único pecado foi o desejo de ler um livro que era considerado inapropriado por tratar do riso. Também foi o responsável pelo incêndio de uma das maiores bibliotecas da Europa. Queimar livros é imperdoável. E ele é um homenzinho para lá de desprezível.


E aí, concordam com nossa seleção de vilões que amamos odiar e que detestamos? Deixem sua opinião nos comentários!


TAG: Palavras Cruzadas



Olá pessoas! Encontrei essa tag no canal InesBooks e resolvi responder! É uma tag super dinâmica e com perguntas muito criativas sobre livros. Espero que gostem!


Assista o vídeo: